sábado, 24 de junho de 2017

Ator Fábio Assunção é preso por desacato em Arcoverde

O ator global Fábio Assunção foi preso neste sábado (24) de São João por desacato a autoridade no município de Arcoverde, Sertão de Pernambuco. Assunção estava na cidade para divulgar o documentário "Eu sonho para você ver" que fez em parceria com a namorada Pally Siqueira, que é natural de Arcoverde.
Segundo informações de testemunhas, o global exagerou no álcool e teria arrumado confusão num bar da região. Chegou a brigar com populares e ser encaminhado a hospital local com ferimentos leves.
Com isso, a Polícia Militar de Pernambuco (PMPE) foi acionada. A ira do ator, que levou a desacatar a polícia, no entanto, se deu após ele ser colocado no carro policial e ser levado à delegacia. Visivelmente embriagado, o ator chegou a quebrar o vidro do carro e a desacatar os policiais conforme mostra vídeo que circula na internet. Assunção ainda é suspeito de dano ao patrimônio público. Na delegacia, o ator prestou depoimento acompanhado por seu advogado.
Conforme a Polícia Civil do Estado, Fábio foi autuado por dano qualificado ao patrimônio público, desacato a autoridade e resistência à prisão. Ele foi encaminhado para exames no Instituto de Medicina Legal (IML) e em seguida será apresentado para audiência de custódia, quando o juiz verá a necessidade de manter preso ou não durante o processo policial.

Do msn

Reprovação do governo Temer chega a 69%, diz Datafolha

Do msn: Pesquisa do Datafolha, divulgada neste sábado (24) pelo jornal Folha de S. Paulo, mostra que apenas 7% da população avalia o governo de Michel Temer (PMDB) como ótimo ou bom.
De acordo com o jornal, essa é a menor marca registrada pelo instituto de pesquisas em 28 anos. Somente José Sarney teve um desempenho pior, em 1989, com 5% de aprovação.
Outros 23% dos entrevistados acreditam que a gestão atual é regular. Para 69% do eleitorado, ela pode ser considerada como ruim ou péssima. Não souberam responder a pesquisa 2% dos entrevistados.
O levantamento foi feito entre os dias 21 e 23 de junho com 2771 entrevistados. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.
Popularidade em queda
A popularidade do peemedebistacaiu à medida em que foram aparecendo novas denúncias de corrupção envolvendo seu governo. A última pesquisa realizada pelo Datafolha, em abril deste ano, apontava que 9% consideravam a gestão Temer como boa ou ótima, 61% a consideravam ruim ou péssimo e 28% a avaliavam como regular.
Veja a comparação abaixo:
AVALIAÇÃO DA GESTÃO TEMERABRILJUNHO
Ruim/péssimo61%69%
Regular28%23%
Ótimo/bom9%7%
Não soube opinar2%2%

sexta-feira, 23 de junho de 2017

SEGURANÇA: Nota sobre Operação Força em Foco, em Garanhuns

O Delegado Regional da 18ª DESEC, Dr. Luiz Bernardo, estará concedendo Entrevista Coletiva, na próxima segunda-feira (26), às 14:00h, na sede da Delegacia Regional, sobre a Operação Força em Foco, desencadeada em Garanhuns nesta quarta-feira, e que se encontra em curso, o que impossibilita oferecer maiores informações no momento.

A Operação conta com a participação de diversos órgãos de segurança, com grande efetivo e uso de viaturas. Outras informações serão disponibilizadas na segunda-feira.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Pela primeira vez, Microempreendedores Individuais poderão parcelar débitos em 120 meses

Os Microempreendedores Individuais (MEI) que têm boletos mensais em aberto até maio de 2016 poderão parcelar seus débitos em até 120 meses a partir do próximo dia 3 de julho. Essa é a primeira vez que esse segmento empresarial poderá pagar os impostos devidos em parcelas. Cada prestação deve ter valor mínimo de R$ 50,00. O prazo para aderir ao programa de renegociação das dívidas é de 90 dias.

A boa notícia foi dada aos participantes da palestra "MEI: como começar bem" que é realizada no auditório da Junta Comercial de Pernambuco (Jucepe) todas as quartas-feiras com o objetivo de esclarecer dúvidas de quem já é ou planeja ser um Microempreendedor Individual. Esses eventos são promovidos pelo Expresso Empreendedor do Recife, da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Trabalho e Qualificação (Sempetq), em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

A supervisora do Expresso Empreendedor da unidade do Recife, Rafaela Airola, destaca que a inadimplência vem sendo um dos maiores problemas da categoria MEI. "O microempreendedor que não se regularizar pode perder todos os benefícios que são oferecidos como como aposentadoria, auxílio-doença ou licença-maternidade e, também, a possibilidade de participar de licitações com os governos Federal, Estaduais e Municipais. ", alerta Rafaela.  Os dados do Sebrae revelam que 60% dos microempreendedores individuais estão inadimplentes.

A solicitação de adesão ao parcelamento poderá ser feita por meio do site da Receita Federal. Para solicitar o parcelamento, o MEI deve apresentar a Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual (DASN-Simei) relativa aos respectivos períodos de apuração. O valor de cada parcela mensal será acrescido de juros da taxa Selic mais 1%, relativamente ao mês em que o pagamento estiver sendo efetuado.

A próxima palestra "MEI: como começar bem" acontecerá na quarta-feira, 28, no auditório da Jucepe, das 9h às 11h. Os interessados podem se inscrever no local (Rua Imperial, 1600) ou antecipadamente pelo telefone (81) 3182-2800.

Arraiá da irmã Dulce é nesta sexta (23) no palhoção municipal

A direção do educandário convida todos os alunos, pais de alunos e sociedade para fazerem parte desta festividade junina de São João.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

UPAE Garanhuns alerta população sobre os cuidados para evitar queimaduras na época junina

Em virtude das festividades juninas da nossa região,  período onde se registra aumento no atendimento a pacientes com queimaduras nos hospitais, geralmente devido a fogos e fogueiras, a UPAE Garanhuns realizou nesta segunda-feira (19) uma ação  educativa sobre prevenção e cuidados a pacientes com queimaduras, voltado  para os usuários e acompanhantes das recepções da unidade de saúde.

A ação foi realizada pelo setor de Educação Permanente da unidade em conjunto com o serviço social.  Também foram entregues panfletos educativos. "Tivemos excelente participação dos nossos pacientes, que fizeram perguntas, e inclusive contaram experiências de pessoas que conhecem que já sofreram queimaduras" - explica a enfermeira de Educação Permanente da UPAE Garanhuns, Michelle Torres.

A assistente social  Valderês Barbosa também falou com os pacientes e acompanhantes, reforçando os cuidados com fogos e fogueiras.

Para saber mais:
UPAE Prof. Antônio Simão dos Santos Figueira
Rodovia BR 423 km 96,8 - Magano - Garanhuns - PE

terça-feira, 20 de junho de 2017

Nordeste atrai cinco indústrias de painéis solares

Este ano, começaram a ser inauguradas no Nordeste cinco indústrias de painéis fotovotaicos para geração de energia solar que totalizam investimentos de R$ 651 milhões. A indústria Pure Energy já foi inaugurada em Alagoas em fevereiro último.  A próxima será a S4 Solar, que começa a operar no próximo mês em Pernambuco, seguida pela Sunlight Energy Brasil, que abre suas portas em setembro no Ceará. Já a chinesa Chint Eletrics, no Rio Grande do Norte, e a Globo Brasil, na Bahia, devem ser inauguradas em 2018.

Esses investimentos são reflexo do potencial do mercado de energia solar no Brasil que não para de crescer mesmo em meio à crise política e econômica no País. Este ano, por exemplo, o número de sistemas instalados para produção de energia solar distribuída de pequeno porte em indústrias, estabelecimentos comerciais e residências cresceu de 7.600 no início de janeiro para 9.000 em maio de acordo com os dados divulgados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). 

Ainda segundo a entidade, esse número deve praticamente duplicar até o final do ano, chegando a cerca de 18.000 sistemas. Nesse ritmo, a Aneel estima que, em 2024, mais de 1,2 milhão de unidades consumidoras deverão estar produzindo a sua própria energia.

A explicação para isso, segundo o presidente da Associação Pernambucana de Energia Solar, Vagner Couto, é o conjunção de três fatores: a redução dos preços devido ao aumento da escala de produção dos equipamentos de geração, a ampliação das linhas de financiamento e o aumento do valor das contas de energia que levam os consumidores a buscar alternativas mais baratas.

Essa perspectiva de crescimento é ainda mais forte no Nordeste, onde são registrados maiores períodos de isolação, o que possibilita um retorno do investimento em quatro anos, enquanto que, em outras regiões, esse prazo pode chegar a 12 anos.

O crescimento do mercado de energia solar traz uma infinidade de oportunidades tanto para os fornecedores de equipamentos de geração, quanto para os consumidores potenciais, que veem na tecnologia uma alternativa para reduzir seus custos.

Atento a isso, o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Pernambuco (Simmepe) está abrindo espaço para o setor de energia solar na Fimmepe – Mecânica Nordeste, feira industrial que será realizada de 24 a 27 de outubro no Centro de Convenções de Pernambuco em sua 23º Edição. A estratégia é unir os interesses tanto de fornecedores quanto de compradores.

Para isso, o Sindicato está atraindo para o pavilhão de exposições indústrias e distribuidores de sistemas e equipamentos para geração de energia nas indústrias. Na outra ponta, desenvolverá, durante a feira, projetos como a Ilha de Eficiência Energética, área montada no pavilhão de exposições onde serão apresentados projetos no segmento de energia renovável e soluções para a otimização do uso dos recursos energéticos como forma de redução de custos.

“Com essas ações, nós colocamos os expositores do segmento de energia renovável em contato com um público qualificado formado por potenciais compradores em busca de soluções alternativas para sua indústria”, afirma Tatiana Meneses, diretora da Insight Feiras e Negócios, empresa organizadora do evento.

Segundo Sebastião Pontes, presidente do Simmepe, a energia elétrica é o principal insumo utilizado na produção do setor industrial. “Nos últimos anos, o custo desse insumo no Brasil cresceu muito, impactando negativamente a competitividade. Em razão disso, entendemos que o estímulo à busca de fontes alternativas é fundamental para a sobrevivência das empresas”, afirma.